contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Atlas inédito mostra potencial energético do Paraná Lançamento da publicação será na segunda quinzena de abril

Lançamento da publicação será na segunda quinzena de abril


Por: Assessoria

Publicado em:

O Paraná tem um grande potencial energético solar a ser explorado. A média dos valores de irradiação e de produtividade do Estado é maior do que em 29 países da Europa e 59% superior à média da Alemanha, país com a maior capacidade instalada do mundo. Essas informações fazem parte do último levantamento, feito em 2006. Essa base de dados está passando por uma atualização e fará parte do primeiro Atlas de Energia Solar do Paraná. A previsão é que a publicação seja lançada na segunda quinzena de abril.

O Atlas Solar Paranaense trará um raio X completo do potencial de cada um dos 399 municípios do Estado. Os resultados desse trabalho inédito poderão servir de base para a elaboração de políticas públicas de incentivo à ampliação do uso dessa fonte de energia renovável no Paraná por meio de sistemas fotovoltaicos conectados à rede elétrica (SFVCR). O levantamento é uma iniciativa da Itaipu Binacional, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI) e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Potencial e distribuição

Com uma área de 199.880 km² e uma população de 10.444.526 habitantes, distribuída em 399 municípios, o Paraná teve em 2013 um consumo de 27 milhões de megawatts-hora (MWh). Quase 93% de toda a eletricidade consumida em território paranaense é proveniente de hidrelétricas, mas há a necessidade de se diversificar a matriz com outras fontes de energia limpa e renovável. E, apesar do grande potencial de SFVCR apresentado pelo Estado, o número desses equipamentos instalados em território paranaense é muito pequeno.

Para o superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Herlon Goelzer de Almeida, “faltam informações e incentivo para a disseminação desta fonte. Quanto mais diversificada for a matriz energética, melhor para o País”, afirma. Ele informa ainda que o Atlas de Energia Solar do Paraná será público e de fácil acesso por qualquer pessoa ou instituição. O material será distribuído em versões impressa e eletrônica (em pen drives) e poderá ser baixado, via Internet, de sites do PTI e de outras instituições parceiras interessadas em sua difusão.

Herlon adianta ainda que a partir de agosto deverá ser colocado à disposição do público um aplicativo para que os consumidores dimensionem suas necessidades de investimento em energia solar a partir dos dados de suas faturas de energia elétrica.

De acordo com o professor Gerson Tiepolo, coordenador do projeto, a ferramenta colocará à disposição dos usuários informações de radiação solar em qualquer ponto do Estado, permitindo que o consumidor faça simulações quanto ao SFVCR necessário para atender suas necessidades de energia elétrica.

Incipiente

Embora o Paraná tenha um grande potencial para utilização de SFVCR, é pouco o investimento no setor. Os projetos que mais se destacam são o Escritório Verde da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Campus Curitiba, com capacidade de 2,1 quilowatt-pico (kWp). Primeiro sistema em operação do Estado, foi instalado em dezembro de 2011, antes da Resolução 482/2012 da Aneel. O outro é o da empresa Elco Engenharia, de 8,64 kWp, homologado em outubro de 2013.

Só para se ter uma ideia, de acordo com dados do Atlas Solar de 2006 (levantamento nacional), o Estado que apresentava até então menor valor anual de irradiação e de produtividade no Brasil seria Santa Catarina, com 1.644 kWh/m² ano, e 1.233 kWh/kWp/ano. A Bahia seria o Estado mais solar, com 2.246 kWh/m² ano e 1.684 kWh/kWp/ano. A média total no Brasil estaria em 2.001 kWh/m²/ano e 1.501 kWh/kWp.

O mesmo atlas nacional mostrava que 12 estados tinham médias inferiores ao Paraná e 14 acima. Já na média, a proporção seria idêntica à do Brasil. Em relação às maiores médias anuais encontradas (Distrito Federal – 5.779 km², Goiás – 340.111 km² e Piauí – 251.611 km²), a produtividade local (199.880 km²) era 7,5% inferior. Na comparação com a Bahia, ficava 3,34% atrás.

Atlas Paranaense

O atlas é composto por um conjunto de mapas com valores de produtividade estimada total anual, média diária sazonal e média diária mensal do Paraná. O estudo mostrará que o incentivo à geração de energia elétrica por meio de fontes renováveis de energia tem crescido gradativamente de forma global e também no Brasil.

Uma das principais vantagens é que a energia solar é uma fonte alternativa que permite a geração de eletricidade de forma distribuída e próxima ao ponto de consumo, também de forma limpa e renovável, a exemplo da hidreletricidade.

Recomendado para você

Anúncio

Rodízio de massas - Noite Italiana

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Categorias

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Assine

Logo do ClickFoz