Empresas parceiras

Igushuttle - Destino Iguassu - Passaporte Iguassu - IguFoz - Loumar Turismo
Noite Italiana - Hotel Bella Italia - Águas do Iguaçu Hotel - Bogari Hotel - Iguassu City Tour

contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Destinação correta de carcaças de animais terá protocolo regulamentado Anúncio foi feito pelo Instituto Ambiental do Paraná

Anúncio foi feito pelo Instituto Ambiental do Paraná


Por: Assessoria

Publicado em:

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) anunciou que até o final do ano deverá regulamentar um protocolo de destinação correta de carcaças de animais das propriedades agropecuárias da região. A medida atende pedido do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD). O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 06, no Show Rural Coopavel, em Cascavel.

O compromisso foi assumido pela bióloga Maria Glória Genari Pozzobon, chefe-regional do IAP, em Toledo. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) emitiu para o instituto uma nota técnica sobre a forma correta de utilizar cada equipamento disponível no mercado para o processo de retirada das carcaças. O título do documento é Tecnologias para Destinação de Animais Mortos na Granja.

Os equipamentos mais empregados para o serviço são triturador, incinerador e roto acelerador. O trabalho é feito manualmente. Não existe uma legislação específica sobre o tema no Brasil, mas a retirada das carcaças das propriedades é proibida pelos órgãos competentes.

“O nosso maior cuidado é com a sanidade animal; por isso, esse estudo detalha todo o procedimento usando cada uma das tecnologias disponíveis”, explicou o responsável pelo projeto (TEC-DAM) da Embrapa, Everton Krabbe.
Uma das preocupações é o subproduto que sai dos equipamentos, uma espécie de farinha que pode ser utilizada inadequadamente para alimentar o rebanho.

Redução de tempo e trabalho

O anúncio agradou e muito o suinocultor  Vanderlei Tiago Weiss, de Toledo. Segundo ele, o maior problema enfrentado no sítio é se desfazer das carcaças. “Essa é a pior parte. Na compostagem manual, levamos seis meses para transformar o animal morto em adubo. Precisamos de métodos mais ágeis e menos trabalhosos”, disse.

Compostagem será ainda necessária

Segundo o superintendente de Energias Renováveis da Itaipu, Herlon Goelzer de Almeida, embora a proposta seja regulamentar o uso dessas tecnologias, não se pode deixar espaços para críticas e assim, perder mercado. “Precisamos ter muito cuidado. E, sabemos que, mesmo usando as máquinas, a compostagem ainda será necessária”.

Segundo o promotor de Meio Ambiente do Ministério Público de Toledo, Giovani Ferri, a destinação incorreta de carcaças deixou de ser apenas um problema ambiental ou de sanidade; mas criminal. “Temos muitos casos de atravessadores, pessoas que retiram esses animais das propriedades para revender. Não podemos permitir isso. A lei é clara. É proibido retirar animais mortos dos sítios e fazendas”, ressalta.

Recomendado para você

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Anúncio

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Categorias

Assine

Logo do ClickFoz