contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Fórum debaterá redução do pedágio e extração do gás de xisto Evento será promovido pelo Oeste em Desenvolvimento, que tem a Itaipu como uma das instituições participantes

Evento será promovido pelo Oeste em Desenvolvimento, que tem a Itaipu como uma das instituições participantes


Por: Lauane de Melo

Publicado em:

O Programa Oeste em Desenvolvimento vai colocar em debate no próximo dia 16, na Faculdade Assis Gurgacz (FAG), em Cascavel , durante o Fórum de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná, duas bandeiras que considera essencial para o crescimento sustentável da região.

Estarão em pauta a não renovação antecipada dos contratos de pedágios e o posicionamento também contrário à exploração do gás de xisto por meio do fracking (fraturamento hidráulico de rochas), que começa a ganhar corpo na região. Dividido em duas partes, o evento começa às 15h30, com a discussão dos temas técnicos. Em seguida, por volta das 18h30, está prevista uma plenária para deliberações.

O Oeste em Desenvolvimento quer mostrar o impacto negativo que a exploração do gás de xisto por meio do fracking poderá ter na região. A produção de energia a partir da exploração de reservas de gás já está liberada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e muitas empresas já ganharam licitação para utilizar esse método em 29 municípios do Oeste. Para os ambientalistas, essa atividade traz grandes danos ao solo fértil, ao meio ambiente, à saúde e à segurança alimentar.

Como uso de energia alternativa, o Programa defende o investimento no biometano. Além de ser limpo e não destruir o meio ambiente, ainda colabora para reduzir um outro problema encontrado na região, que é justamente a destinação dos dejetos de animais.

O uso do biogás tem garantido melhor qualidade de vida e renda para muitos agricultores da região. Algumas unidades de demonstração, como o Condomínio Ajuricaba, em Marechal Cândido Rondon, onde vive um grupo de mais de 30 agricultores familiares, são um exemplo disso. Por meio de biodigestores, eles produzem energia para o consumo próprio e para a Copel.

Desde o começo do ano, o Programa vem promovendo debates e outras iniciativas para sensibilizar autoridades, lideranças políticas, empresas e sociedade civil para pressionar o governo a não renovar as concessões dos pedágios nos termos atuais, e reduzir os valores da tarifa. Uma carta assinada por mais de 400 lideranças, entre elas, deputados estaduais e federais, foi entregue à presidente Dilma Rousseff e ao governador do Paraná, Beto Richa, com essa reivindicação.

O Oeste em Desenvolvimento quer que seja feita uma nova licitação com base nos modelos atuais utilizados em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, por exemplo. Nesses três estados, o valor cobrado por quilômetro rodado é metade do paranaense e a quantidade de rodovias duplicadas é, no mínimo, o dobro. Os atuais contratos vencem em 2021.

Frentes de ação – Segundo o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, Mário Costenaro, além desses dois assuntos específicos, o programa, que reúne 40 entidades, vai aprofundar as discussões e encontrar alternativas para resolver alguns gargalos que impedem o crescimento econômico regional. Segundo Jaime Nelson Nascimento, representante da Itaipu no Programa, o fórum vai também discutir demandas peculiares de cada um dos 54 municípios integrantes da proposta.

Juntos, esses municípios somam quase 1,3 milhões de habitantes (estimativa do Censo de 2015) e um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 32 bilhões.

Gargalos – Apesar do grande potencial, a região enfrenta desafios para crescer, como transporte, por exemplo. Os quatro modais de transporte – rodoviário, ferroviário, aeroviário e hidroviário – apresentam, em diferentes graus, uma infraestrutura precária.

No rodoviário, por exemplo, os problemas vão desde a falta de ligações entre os municípios até o valor alto dos pedágios nas rodovias federais. As estradas rurais são mal conservadas e estreitas, impedindo a passagem de caminhões de grande porte. Esses fatores contribuem para o aumento no valor dos fretes, o que afeta o custo final dos produtos, prejudicando a concorrência com a produção de outras regiões do Brasil e até de outros países.

O programa – Lançado em 2014, o Programa Oeste em Desenvolvimento é uma iniciativa que une mais de 40 instituições, como a Itaipu Binacional, o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), o Sebrae/PR, o Sistema Cooperativo, a Caciopar, a Amop, a Emater e a Fiep, além de cooperativas e instituições de ensino superior. Mais informações no site www.oesteemdesenvolvimento.com.br.

Recomendado para você

Anúncio

Promoção natal ACIFI

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Categorias

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Assine

Logo do ClickFoz