Empresas parceiras

Igushuttle - Destino Iguassu - Passaporte Iguassu - IguFoz - Loumar Turismo
Noite Italiana - Hotel Bella Italia - Águas do Iguaçu Hotel - Bogari Hotel - Iguassu City Tour

[email protected]

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2018 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu será um dos polos de segurança cibernética do Brasil Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicações e Cibernética foi inaugurado em Itaipu

Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicações e Cibernética foi inaugurado em Itaipu


Por: Lauane de Melo

Publicado em:

Itaipu servirá como projeto-piloto para o desenvolvimento de tecnologias de defesa cibernética das estruturas estratégicas do país. As soluções serão criadas no Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicações e Cibernética (LaSEC²), inaugurado na última terça-feira, 03, no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), por meio de um acordo de cooperação entre Itaipu, o Exército Brasileiro e a Fundação PTI.

Foto: JIE
O diretor-geral brasileiro de Itaipu e autoridades, inauguram laboratório dentro de Itaipu

“Trabalharemos como um case para fazer a proteção da Itaipu e, ao mesmo tempo, buscaremos soluções nacionais [de defesa cibernética]”, disse o general de divisão Paulo Sergio Melo de Carvalho, chefe do Centro de Defesa Cibernética (CDCiber) do Exército, ao qual o LaSEC² está ligado.

“Não queremos comprar sistemas prontos, mas desenvolvermos novas soluções”, disse Carvalho, durante cerimônia de inauguração do laboratório.

A solenidade ocorreu no Edíficio das Águas, no PTI, onde fica o LaSEC². Além de Carvalho, o evento também teve a presença do diretor-geral brasileiro da Itaipu, Jorge Miguel Samek; do diretor-superintendente da Fundação PTI, Juan Carlos Sotuyo; do chefe da Assessoria de Informações da Itaipu, coronel Carlos Roberto Sucha, responsável por trazer o laboratório para Foz do Iguaçu e interlocutor entre Exército, Itaipu e Fundação PTI; e o coronel Francisco Ronald Rocha Fernandes, chefe adjunto da Assessoria de Informações da Itaipu.

Com o LaSEC², Foz será um dos polos de segurança cibernética do Brasil. O laboratório é um braço local do CDCiber, cujas atribuições estão a segurança cibernética do país em grandes eventos, como Copa do Mundo e a Olimpíada de 2016. “Se ninguém ouviu falar de nós [durante a Copa], é porque nosso trabalho funcionou”, brincou o general.

“Daqui ainda sai quase 20% da energia do Brasil, que depende de nosso trabalho. Se nós não tomarmos as precauções nas nossas estruturas estratégicas, os danos podem ser muito grandes”, afirmou Samek.

Em rede – O LaSEC² é um dos nove projetos da Rede Nacional de Segurança da Informação e Criptografia (Renasic), gerenciada pelo CDCiber. Sua função é interligar as Forças Armadas à academia e às empresas públicas e privadas.

A Renasic pretende colocar o Brasil entre os países mais competentes em termos de segurança digital e criptografia. A ideia é aperfeiçoar a defesa cibernética para evitar, por exemplo, o acesso indevido a informações sigilosas.
 

Foto: JIE
Graças ao laboratório Foz do Iguaçu será um dos polos de segurança cibernética do país

A rede comporta outros oito projetos que vão da busca de protocolos criptografados à defesa de ataques e desenvolvimento de programas de detecção de intrusão, além de simuladores de defesa, entre outros.

Os projetos são desenvolvidos em parceria com diversas instituições, como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica, a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade de Brasília. Em cada um deles, há um viés de pesquisa. Na capital do país, o laboratório virtual “Proto” coordena as pesquisas para o desenvolvimento e implantação de protocolos criptográficos seguros.

Em Foz do Iguaçu, o eixo será a proteção de Itaipu como uma das estruturas estratégicas – aquelas que, em caso de colapso, causariam algum problema ao Brasil. Além de Itaipu, comportam essa lista as plataformas petrolíferas, o sistema bancário e financeiro (bolsas de valores), as linhas de transmissão de energia, entre outras. “Depois, esse conhecimento poderá ser replicado em outras instalações”, disse o major Luciano de Oliveira, do CDCiber.

“Neste momento estamos plantando uma semente que vai frutificar não só na região de Foz do Iguaçu. O que vamos produzir aqui será útil para outras estruturas estratégicas”, disse Sucha.

Como funcionará  – O Laboratório de Segurança Eletrônica, de Comunicações e Cibernética fica no Edifício das Águas, no PTI. “Será uma atuação colaborativa, com uma conexão com todas outras iniciativas do parque”, disse o diretor-presidente da Fundação PTI, Juan Carlos Sotuyo.

A ideia é conciliar o trabalho do LaSEC² com os demais laboratórios do PTI, como o Centro de Estudos Avançados em Segurança de Barragens (Ceasb), o Centro Latino-americano de Tecnologias Abertas (Celtab), o Laboratório de Automação e Simulação de Sistemas Elétricos (Lasse) e o Programa de Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação (Inovatic).

Atualmente, estes órgãos comportam mais de 70 pesquisadores. Outros poderão ser contratados pelo sistema de bolsas.

 
 

Recomendado para você

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Categorias

Anúncio

Logo do ClickFoz