contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Palestra e oficina discutem inclusão digital para pessoas cegas “Outros Olhares, Novos Diálogos” será nos dias 26 e 27 de abril, em Foz do Iguaçu

“Outros Olhares, Novos Diálogos” será nos dias 26 e 27 de abril, em Foz do Iguaçu


Por: Leca

Publicado em:

Uma sociedade será  avançada e justa quando puder incluir as diferenças.  É com essa visão que será realizada a segunda edição do evento “Outros Olhares, Novos Diálogos: A comunicação digital e os cegos”, nos dias 26 e 27 de abril, em Foz do Iguaçu. O objetivo é discutir a inclusão e acessibilidade digital das pessoas cegas.
 

A programação terá palestra pública e oficina. As atividades serão coordenadas pelo professor de informática Thiago Magalhães, de Campinas (SP), cego desde os 13 anos. A organização é do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Subseção de Foz do Iguaçu e Região) e da Associação Guatá. O evento também recebe apoio da Biblioteca Pública Municipal Elfrida Elgel Nunes Rios, da APP Sindicato (Núcleo Sindical Foz do Iguaçu), do portal Megafone, da Casa do Teatro e da Casa da América Latina.

Conhecido por seu gosto tecnológico, Thiago acredita que a maior vantagem da informática é a inclusão. Segundo ele, essa ferramenta “é um olho para a pessoa cega, desde as atividades  mais simples como guardar um número de telefone, uma agenda, até as mais complexas”.

Palestra – No primeiro dia, 26, será promovida uma palestra pública com o tema “O acesso à comunicação digital para a pessoa cega”, às 19h30, na Fundação Cultural de Foz do Iguaçu. A entrada é gratuita e aberta ao público em geral.

Workshop –
Sábado (27) será desenvolvido um workshop cujo objetivo é fazer uma introdução à informática para a pessoa cega. Para este evento os participantes serão divididos em duas turmas, uma das 8 às 12 horas e a outra das 14 às 18 horas, no Telecentro da Guarda Municipal. Esta atividade, gratuita, tem vagas limitadas e exige inscrição prévia. Informações pelo e-mail aureamcunha@yahoo.com.br.

Importância – Na opinião de Silvio Campana, diretor da Associação Guatá, participar de um projeto que possa auxiliar na inclusão de indivíduos na vida social, econômica e principalmente cultura da cidade “é resgatar o principal propósito da existência da Guatá”.

Segundo Campana, a iniciação de cegos e portadores de baixa-visão à cultura digital, longe de ser um favor às pessoas que vivem essa condição, ajuda a própria sociedade a avançar no seu conjunto. “Nos desafia a entender  limites, superar distâncias e indiferenças e, com isso, enfrentar o maior dos entraves, que é o preconceito transvestido de invisibilidade”, destacou

Para o diretor do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Subseção Foz do Iguaçu e Região), Wemerson Augusto, a atividade é importante para discutir entender a acessibilidade real na sociedade, em especial a deficiência visual.

“Vamos experimentar um recurso tecnológico e ver de que forma ele pode auxiliar as pessoas que possuem deficiência visual. Além disso, a iniciativa é uma forma do Sindicato dos Jornalistas ultrapassar suas barreiras corporativas e participar mais ativamente de outras demandas da comunidade”.

O Palestrante – Thiago Magalhães é instrutor, programador e analista de sistemas. Trabalha como instrutor de informática no Instituto Campineiro dos Cegos Trabalhadores e também ministra cursos de férias na Fundação Bradesco.  E também atua como instrutor de treinamento e suporte, além de consultoria de acessibilidade digital.

Baiano de Ilhéus, Thiago nasceu com glaucoma e foi perdendo gradualmente a visão. Ele conta que entrou no ramo de informática por acaso, embora sempre tenha se interessado por tecnologias.  Quando perdeu totalmente a visão fez um curso de informática em Campinas e se deu bem. Antes de entrar nesse ramo, quis ser músico, assistente social.

Thiago utiliza vários programas leitores de tela, dentre eles, Jaws, Virtual Visio e NVDA, um sistema que lê a tela e torna a linguagem acessível. O NVDA é um software livre,  aberto, é possível de fazer alterações na sua programação.

Primeira edição –
Em sua primeira edição, “Outros Olhares, Novos Diálogos” teve como carro chefe uma oficina de fotografia que durou quase um ano.  Ministrado pela jornalista e fotógrafa Áurea Cunha,  a oficina  resultou na exposição  “Outros Olhares: A linguagem fotográfica dos cegos”. Áurea é quem coordena também os trabalhos desta segunda edição de “Outros Olhares”.

Recomendado para você

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Anúncio

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Categorias

Assine

Logo do ClickFoz