contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Projeto da Unila usa criatividade como fator de desenvolvimento e renda na Vila C Ação busca, em longo prazo, transformar o bairro no primeiro distrito criativo da Tríplice Fronteira

Ação busca, em longo prazo, transformar o bairro no primeiro distrito criativo da Tríplice Fronteira


Por: Assessoria

Publicado em:

Transformar o resultado do descaminho – produtos apreendidos – em novos caminhos é a proposta de um projeto de pesquisa que está sendo desenvolvido por professores e estudantes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em parceria com o Conselho Comunitário da Vila C e a Receita Federal. Batizado de “10Caminhos”, o projeto recebeu o reconhecimento não só da comunidade, mas de instituições que incentivam esse tipo de iniciativa. O mais recente é a certificação recebida pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social.

A certificação é uma das etapas da premiação e garante a inclusão do projeto no Banco de Tecnologias Sociais da Fundação. Os finalistas serão anunciados em 15 de agosto. Esse é um passo importante para o coletivo de mulheres que se reúne há cerca de dois anos no Centro Comunitário da Vila C para trocar saberes, pois permite a ampliação das atividades, por meio de parcerias com empresas, e o recebimento de doações de parcela do Imposto de Renda devido por empresas e pessoas físicas.

Design participativo

“O que pretendemos com esse projeto é criar núcleos de design participativo – que são coletivos organizados ou em via de organização – aliados à economia solidária”, explica Karine Queiroz, professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unila e coordenadora do projeto. O Coletivo 10Caminhos da Vila C é o primeiro deles. Na criação dos núcleos, professores e estudantes orientam não só a produção, mas a organização formal. “O problema do artesanato nunca é a produção. Há capacidade criativa inconteste e capacidade produtiva. O problema é fazer girar, vender”, diz a docente. “Mais do que tudo a iniciativa prioriza o empoderamento feminino através da potencialização da capacidade criativa e do saber local”, completa.

A criação aliada à economia solidária transforma-se também em fonte de renda, com o estabelecimento de relações produtivas pela e na comunidade. “É um modo de trabalhar e sair da crise. É importante ter ambições porque isso cria nas pessoas desejo de sair do lugar”, afirma a professora.

A condição para as doações feitas pela Receita Federal é a descaracterização dos produtos. Um relógio não pode ser vendido como relógio, tem de ser transformado. No Coletivo 10Caminhos, esses produtos são base para pulseiras, colares, brincos. De acordo com Karine, a descaracterização do produto e sua transformação em outros geram ocupação, renda, impostos que ficam na cidade e estimulam a economia local. “Saímos de uma economia social, que é a da caridade e tem um relação vertical, para uma economia solidária, que é horizontal. O paradigma da economia social é o desperdício, o da economia solidária é a criatividade.”

O projeto, que começou com uma parceria importante com a Receita Federal, hoje também recebe doações de materiais dos projetos Ñandeva e do Parque Tecnológico Itaipu (PTI).

Vínculos

Na Vila C, bairro localizado entre duas unidades acadêmicas da Unila (PTI e Jardim Universitário), a ação envolve um grupo de costureiras que se reúne no prédio do Conselho Comunitário, onde há 19 máquinas de costura em operação e um espaço para a criação e produção. “Eu buscava tentar ajudar no que eu sei e aprender o que os outros sabem. Para mim está sendo muito bom porque conheci novas pessoas, fiz novas amizades. Fazer crochê, criar coisas. Isso é muito bom. Minhas ideias vão lá longe”, diz Maria Aparecida de Oliveira, resumindo a opinião do grupo, formado ainda por Maria Pereira da Silva, Leonice Menger, Noeli Locks e Kelly Baldessar. “Cada dia que passa a gente inventa uma coisa. Qualquer bolso de uma roupa que você criar diferente, qualquer bolsinha de crochê ou malha, pra gente é maravilhoso.”

Karine destaca o que ela chama de característica mais importante da Vila C: um bairro criativo. “A Vila C é  território do saber fazer. Tem costureiras, bordadeiras, tricoteiras, sapateiros, marceneiros. Existe muito potencial humano aqui”, comenta, explicando que o projeto busca, em longo prazo, transformar o local no primeiro distrito criativo da Tríplice Fronteira.

Numa região com três países e diferenças culturais riquíssimas, a ideia é sensibilizar as pessoas para as possibilidades de trabalho com objetos que antes seriam destruídos e iriam para o lixo. “É um espaço de caça-talentos não só de iniciação às noções de design e novas tecnologias, mas de pessoas que se autodescobrem nesses processos”, explica a docente.

Uma etapa fundamental no processo de criação foram as oficinas de ecodesign ministradas pela professora Celine Veríssimo, também do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unila. “A ideia é mostrar que há outras possibilidades para além do design de elite, [cujas peças] vão para o mercado com preços altíssimos. Entendemos com essa ideia que qualquer um pode ser um designer artesão”, comenta Celine.

Depois das oficinas, o grupo participou de um “passeio criativo” para a observação de elementos característicos da cidade. Desse passeio saiu o “fio condutor” para as peças a serem produzidas: as cataratas, a produção e transmissão de energia e a terra vermelha. Foi com base nessa experiência que a coleção “Força das Águas” ganhou cores e padrões.

No grupo, uma ensina a outra e, de orientação em orientação, de conversa em conversa, elas vão transformando pedaços de muitos materiais apreendidos em um exemplar único, exclusivo, e vão aprendendo que podem gerir um negócio, crescer, agregar conhecimento. E vão criando vínculos. “Artesanato não é só produção de renda. É produção de relações, possibilidade de bem viver. O que a gente produz mesmo é bem viver. Existe um aspecto mais alargado de economia dentro do artesanato que é a possibilidade de participação em feiras, de viajar e conhecer outros grupos. Isso é uma economia que conta. Não é só a renda gerada, mas as experiências geradas. Isso é um retorno que tem que ser economicamente mensurado.” afirma Karine.

Festival

Uma parte dos produtos desenvolvidos até agora poderão ser vistos e adquiridos no dia 12 de agosto, quando acontece o 1º Festival Comunitário da Vila C. O evento, que terá ainda apresentações culturais e comidas típicas, entre outras atrações, será realizado no Centro Comunitário da Vila C (Rua Vila Velha, 63), das 16h às 22h.

Recomendado para você

Anúncio

Rodízio de massas - Noite Italiana

Anúncio

Anúncio

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Categorias

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Assine

Logo do ClickFoz