contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Quanto custa uma vaga de piloto na Fórmula 1?


Por:

Publicado em:

Esta semana, os rumores que apontam a chegada de Pastor Maldonado e seus “petrodólares” para a Fórmula 1 ficaram mais fortes. Segundo a revista digital Warm-Up, o piloto venezuelano pilotará pela Willams ao lado de Rubens Barrichello, em 2011, após ter garantido 15 milhões de euros da PDVSA para o orçamento combalido da equipe de Frank Williams.

Imagem: Globovisión
Maldonado, o garoto-propaganda da petrolífera de Hugo Chavez

 

Essa quantia dá em torno de 15% do que se estima ser o orçamento anual do time, que perdeu vários patrocinadores após a crise de 2008/2009, e foi o suficiente para que o alemão Nico Hulkenberg fosse dispensado, mesmo com quatro títulos convincentes no currículo (Campeão da Fórmula BMW-2005, Campeão da A1 GP-2007, Campeão da F3 Euroseries-2008 e Campeão da GP2-2009).
 
Essa não será a primeira, nem a última vez em que o dinheiro fala mais alto que o talento dentro da Fórmula 1. Basta lembrar um caso mais recente, o de Sakon Yamamoto, que pagou 9 milhões de dólares para brincar de piloto na Hispania Racing. Chandhok acabou caindo fora, mas acho que ele não vai sentir saudades da carroça construída pela Dallara.
 
E não para por aí. A Sauber, que esse ano andou com a carenagem sem uma única logomarca e perdeu o aporte financeiro da BMW, também terá um piloto pagante. Não se sabe quanto a Telmex pagou para o time do ex-piloto Peter Sauber, nem quais os termos da parceria com a empresa do bilionário Carlos Slim, mas o mexicano Sergio Pérez, vice-campeão da GP2, já garantiu sua vaga para 2011, ao lado de Kamui Kobayashi – esse, que no puro talento permaneceu na categoria e ainda vai trazer o patrocínio da Panasonic para o time suíço.
 
Enquanto a Fórmula 1 não resolve o impasse do teto orçamentário e não encontra uma solução para os gastos astronômicos das equipes – e montadoras, em tempos de crise, a competição não perderá apenas dinheiro de patrocínio, mas também sentirá a falta de novos talentos se juntando ao grid.
 
*Belenos é acadêmico de Comunicação Social, responsável pelo Twitter @f1brasil e já não perde uma corrida desde Mônaco-1999.

 

 

Recomendado para você

Anúncio

Rodízio de massas - Noite Italiana

Anúncio

Anúncio

Assine

Categorias

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Anúncio da revista D!VA
Logo do ClickFoz