contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Seis cidades paranaenses apresentam incidência epidêmica de dengue Secretaria da Saúde divulga novo boletim da doença no estado

Secretaria da Saúde divulga novo boletim da doença no estado


Por: Leca

Publicado em:

A Secretaria estadual da Saúde divulgou nesta segunda-feira (20) os dados atualizados da dengue no Paraná. De acordo com o novo boletim, apenas seis municípios apresentam incidência epidêmica no Estado – Santa Inês, Santo Antônio do Caiuá, Tamboara, Douradina, Icaraíma e Francisco Alves.

Desde agosto de 2012 foram registrados 40.688 casos de dengue em todo o Estado, sendo que 93% dos casos estão concentrados nos 117 municípios que atingiram incidência superior a 300 casos por 100 mil habitantes. Desde o último boletim, são 5.832 casos a mais, a maioria referente ao mês de abril.

A cidade de Paranavaí foi o que registrou o maior número de casos (10.327). Após alcançar incidência epidêmica, o município passou a aplicar o critério clínico-epidemiológico, onde o médico notifica e confirma o caso de dengue sem a necessidade de confirmação laboratorial.

A Secretaria da Saúde vai orientar os municípios que tiveram queda no número de casos a adotar novamente a confirmação laboratorial. “Com isso teremos um panorama real da situação da doença no Estado, já que menos da metade dos casos notificados como suspeitos de dengue são realmente confirmados”, explicou o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz.

A dengue é uma doença que se manifesta por meio de sintomas comuns, como febre, dor no corpo e mal-estar geral. Por isso, a confirmação laboratorial evita que pessoas com gripe, por exemplo, sejam tratadas como pacientes com dengue.

Mortes – O boletim desta segunda-feira (20) também informa que 72% das mortes por dengue no Paraná são de idosos. Desde agosto do ano passado, 14 pessoas morreram por dengue no Estado. Desses pacientes, 10 tinham mais de 60 anos. O número já leva em conta um novo óbito confirmado neste último informe.

Para o médico da Secretaria da Saúde Enéas Cordeiro, a maior letalidade entre idosos pode estar ligada à procura tardia de atendimento médico após os primeiros sintomas de dengue. “A evolução do quadro clínico do paciente varia de acordo com cada pessoa. Contudo, com os idosos é preciso ter um cuidado maior porque a saúde deles poder estar debilitada e o diagnóstico precoce é essencial para o sucesso do tratamento”, explicou.

O alerta também se deve à perda gradativa de autonomia, comum nessa faixa etária. “Qualquer queixa do idoso deve ser levada a sério. Em caso de suspeita de dengue ou outra doença, a pessoa deve ser encaminhada imediatamente a um serviço de saúde para uma avaliação mais detalhada”, disse o médico.

Outro fator comum entre a maioria dos óbitos no Paraná é a existência de comorbidade, ou seja, a presença de outra doença que pode ter contribuído para o agravamento do quadro clínico do paciente.

Este é o caso da última morte confirmada no Estado. O paciente tinha 67 anos e fazia tratamento devido a problemas cardíacos. Morador de Jussara, na região Noroeste do Estado, ele demorou três dias para procurar atendimento médico.

Recomendado para você

Anúncio

Rodízio de massas - Noite Italiana

Anúncio

Anúncio

Assine

Categorias

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Anúncio da revista D!VA
Logo do ClickFoz