Empresas parceiras

Igushuttle - Destino Iguassu - Passaporte Iguassu - IguFoz - Loumar Turismo
Noite Italiana - Hotel Bella Italia - Águas do Iguaçu Hotel - Bogari Hotel - Iguassu City Tour

contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Vereadores vão propor projeto para criar dia de combate à homofobia Grupo parlamentar também vai discutir regulamentação de lei municipal de respeito à diversidade

Grupo parlamentar também vai discutir regulamentação de lei municipal de respeito à diversidade


Por: Lauane de Melo

Publicado em:

A Câmara abriu espaço, na última sexta-feira (15), no plenário do Legislativo, para discutir políticas públicas LGBT em Foz do Iguaçu. O autor da proposta, Vereador Nilton Bobato (PCdoB), frisou a importância do debate, no caminho de entender e diversidade e a pluralidade social. “O ser humano pode até não compreender, mas deve aceitar o diferente. Para mim, essa audiência pública já valeu pela frase da professora Maria: nós estávamos cegos”, salientou o Vereador Bobato, defendendo o encaminhamento de criar um grupo de trabalho para cobrar a regulamentação da lei municipal 2718/2002, que trata do combate à discriminação.

Foto: CMFI
Reunião aconteceu na Câmara de Vereadores de Foz na última sexta-feira, 15

Participaram da audiência: Representantes do Poder Executivo; dirigentes de grupos sociais relacionados ao tema e os Vereadores: Fernando Duso (PT) – Presidente da Câmara; Paulo Cesar Queiroz- Coquinho (SD); Dilto Vitorassi (PV). Dentre as iniciativas levantadas na discussão, a redação de um projeto criando um dia municipal de combate à homofobia e transfobia foi um dos pontos de destaque. O Vereador Nilton Bobato (Pc doB), propôs que ele e os demais parlamentares: Fernando Duso (PT), Dilto Vitorassi (PV) e Paulo Cesar Queiroz – Coquinho (SD) façam o projeto em conjunto e encaminhem para apreciação do plenário.    

Os parlamentares marcaram posicionamento sobre a questão. “Todas as iniciativas do vereador, se não tiver a contrapartida da mobilização de vocês (população) tende a naufragar. Aconselho que se mobilizem para que tenham os direitos garantidos. Estamos para tentar ouvi-los e colaborar em tudo que estiver ao nosso alcance”, destacou o Presidente da Casa- Fernando Duso (PT). 

O vereador Paulo Cesar Queiroz – Coquinho (SD) salientou que “É uma questão de respeito ao movimento, estaremos à disposição para tratar dos assuntos. É importante a participação de todos”. Dilto Vitorassi (PV) enfatizou, “Já era a hora de Foz tomar a iniciativa, tirar alguns indicativos, passar a começar a fazer a defesa. O respeito precisa ser com todas as pessoas, com os direitos humanos. Que a gente abra espaço para o amor e não para a intolerância”.   

Sthephany Mencato, coordenadora do Movimento LGBTTT e advogada do patronato penitenciário, fez uma apresentação na tribuna, explicando um pouco da luta do movimento por direitos humanos e respeito à diversidade.  “A transfobia vem do ódio à identidade de gênero. A questão dos rituais de tortura é muito marcante quando falamos de LGBT mortos. O perfil das pessoas que estão vindo a óbito são pessoas extremamente jovens. O Paraná (vergonhosamente) é o estado mais violento no Brasil. São vários os tipos de Violência: física, psicológica, patrimonial (destruição ao patrimônio material), moral (calúnia, injúria, difamação), sexual”.    

Ariana da Silva, representante da Liga Brasileira de Lésbicas no Paraná, alertou para alguns dados da violência e ratificou a importância de se criar a data. “Precisamos lembrar que 30% dos agressores têm idade entre 30 e 29 anos. 80% das pessoas agredidas são travestis. Infelizmente não encontrei dados específicos de Foz, porque esses dados não existem. Estabelecer a data é estabelecer o diálogo e a informação. Parar um dia no ano para pensar em problemas que não me atingem, pode ser sim, a solução para a violência que está tão invisível em Foz”. 

A professora Milena Branco, do grupo Maldita Geni, relatou sua própria vivência. “Eu andava na rua, era motivo de chacota, eu consegui sobreviver a uma sociedade impune. Quando você começa a se opor e a se dignificar como ser humano, a coisa muda. A gente precisa julgar o ser humano pelo caráter. Uma das coisas que mais me dói, porque todo dia tenho que provar que sou mulher, feminina, tenho caráter, dignidade”.

 

Recomendado para você

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Anúncio

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Categorias

Assine

Logo do ClickFoz