Empresas parceiras

Igushuttle - Destino Iguassu - Passaporte Iguassu - IguFoz - Loumar Turismo
Noite Italiana - Hotel Bella Italia - Águas do Iguaçu Hotel - Bogari Hotel - Iguassu City Tour

contato@clickfozdoiguacu.com.br

(45) 3521-4041

Rua Venanti Otremba, 772. Sala 1.

CEP 85852-020 - Foz do Iguaçu

Paraná - Brasil

© Copyright - 2017 Foznet Soluções Digitais - Todos os direitos reservados.

Anúncio

Foz do Iguaçu

Virada Cultural de São Paulo: um exemplo para Foz e para o Brasil


Por: Garon Piceli

Publicado em:

Aconteceu neste último final de semana, em São Paulo, a Virada Cultural: um evento que reuniu mais de 900 atrações, em dezenas de lugares, com atividades, shows e intervenções simultâneas e, segundo dados da Polícia Militar, mais de 4 milhões de pessoas.
 

Foto: Agência Estado
Público acompanha apresentacao do palavra cantada no palco Luz no centro de São Paulo durante a 9 edicao da Virada Cultural

Dadas as devidas proporções ao tamanho das cidades, a Virada Cultural é um exemplo para o Brasil e para o mundo.

O Paraná, assim como outros estados, já aderiu ao modelo e percebe-se, ainda, uma descentralização das Viradas Culturais, sendo que, em 2012, tivemos um evento de mesmo nome em Foz do Iguaçu.

Apesar disso, a Virada em Foz não foi exatamente uma “virada”, pois não contou com a essência da proposta: 24 horas de programação ininterrupta.

É provável que os críticos ao modelo – e os pessimistas que infestam nossa cidade – Foz – bradem frases como “não há público”, etc. Aviso a eles, no entanto, que há sim em Foz público para um grande evento de 24 horas, se for bem planejado, divulgado e concentrado.

Além disso, alguns fatores seriam fundamentais para o sucesso de um evento – como eu já disse: respeitando as devidas proporções – em Foz:

1 – 24 horas de programação: um grande evento deve ter um grande apelo. A Virada Cultural deve começar num dia e terminar no outro, agregando diversas atrações como música, teatro, dança, exposições, cinema e cultura popular.

2 – diversidade: o apelo deve ser o respeito a diversidade e a possibilidade de convivência entre os diversos grupos sociais e culturais e isso deve estar explícito em toda a divulgação do evento.

3 – curadoria compartilhada: a escolha das atrações não pode ficar – apenas – nas mãos da Fundação Cultural de Foz – ou da Secretaria de Estado da Cultura –, é preciso uma curadoria mista, com pessoas da sociedade civil e representantes dos setores artísticos, além do Conselho Municipal de Cultura.

4 – recursos: não se faz um evento de qualidade para uma cidade como Foz do Iguaçu sem um orçamento real e efetivo. Penso em algo em torno de 5 milhões de reais, no mínimo, para garantirmos o tripé estrutura-segurança-atrações. (e fique claro que cachê, ao contrário do que os gestores iguaçuenses – historicamente – pensam, não é pago somente para atrações “de fora”. Os artistas locais merecem respeito.)

5 – cidade das pessoas: a Virada Cultural só ocorre se a sociedade e o Poder Público entenderem que, num evento como esses, os carros devem ser banidos da cidade, ou, pelo menos, do Centro. As pessoas devem ter o direito de caminhar, livremente, pelas ruas, de andar de bicicleta, skate, long, patins sem se preocupar com carros, motos, caminhões e ônibus.

Um evento como esse pode – e deve – acontecer em Foz do Iguaçu e, certamente, a cidade tem público, estrutura e nome para construir a melhor Virada do Paraná – maior que a de Curitiba – inclusive. Só precisamos de esforço, união e recursos. Enquanto isso não ocorre, a gente morre de inveja das cidades que deram essa passo à frente.

 

 


 

 * Luiz Henrique Dias é encenador da Cia Experiencial O Teatro do Excluído de São Paulo e membro do Núcleo de Dramaturgia SESI – PR. Leia mais em www.luizhenriquedias.com.br

 

Recomendado para você

Anúncio

Anúncio da revista D!VA

Anúncio

Anúncio

City Tour Foz do Iguaçu

Anúncio

Categorias

Assine

Logo do ClickFoz